Nenhum comentário

Tecnologia e venda online: como a Internet das Coisas pode impactar um e-commerce?

Se já não bastasse a tecnologia existente por trás do e-commerce, a Internet das Coisas faz toda a diferença e impacta diretamente as vendas online.

A IoT, como também é conhecida essa tecnologia, faz parte da quarta revolução industrial e avança a passos largos, ela já é realidade no setor de logística e industrial, por exemplo, e também ocupa espaço no comércio digital.

Essa situação não poderia ser diferente, pois, o e-commerce no ano de 2021, segundo dados apresentados pela Neotrust, obteve um crescimento de 27% se comparado ao ano anterior, atingindo um faturamento de R$ 161 bilhões.

Diante desse sucesso, as empresas do segmento cada vez mais implementam novas soluções que venham a atender a demanda e as expectativas do consumidor.

Neste artigo, apresentamos de que maneira a Internet das Coisas pode impactar ainda mais as vendas do e-commerce. Continue lendo e saiba detalhes sobre esse assunto!

O que é a Internet das Coisas?

Internet das Coisas é a tecnologia que conecta objetos às redes de computadores espalhadas pelo mundo.

Como exemplo, temos os automóveis que se conectam à internet e possibilitam que os passageiros utilizem suas redes sociais ou assistam seus programas favoritos sem precisar utilizar seus smartphones.

 

Por falar em automóveis, hoje já existem caminhões autônomos que trafegam utilizando a tecnologia IoT sem a necessidade de motoristas, inclusive no Brasil.

Outros exemplos já utilizados no dia a dia são:

  • termostatos que ligam ou desligam aparelhos de ar-condicionado e aquecedores,
  • iluminação e equipamentos que funcionam ao comando de voz,
  • medidores de pressão arterial e batimento cardíacos em smartphones, etc.

Já estamos vivendo essa realidade e o e-commerce descobriu também possibilidades interessantes que podem ser utilizadas com máximo aproveitamento desses conceitos.

Qual é a relação da tecnologia com o e-commerce?

Através da IoT, o aprimoramento de algumas ações tende a se tornar uma agradável surpresa aos clientes de uma loja virtual.

Usando a mesma tecnologia das indústrias e dos exemplos apresentados, sistemas podem capturar dados das residências dos consumidores e fornecer soluções que venham a atender a alguma demanda existente.

A possibilidade de um termostato apresentar a temperatura ambiente ou uma geladeira fornecer o estoque armazenado em seu interior, por exemplo, pode criar situações que já começam a ser observadas pelos grandes players de mercado.

Para que isso aconteça, basta que o objeto informe, através da internet, o que falta e o que poderia ser oferecido para melhorar a situação daquele ambiente.

Um exemplo é a Amazon que nos Estados Unidos, já há algum tempo, permite a compra de mercadorias de forma autônoma a partir do report dado pelos refrigeradores de itens em falta.

A Internet das Coisas permite que objetos e redes se comuniquem, onde ocorre:

  • captura de dados,
  • análise das informações,
  • decisão inteligente por alguma ação,
  • retorno com alguma solução ao usuário.

Como a IoT é aplicada no e-commerce?

A IoT e o e-commerce já estão se relacionando há algum tempo, onde medidas já começam a ser desenhadas aqui no Brasil, como, por exemplo:

  • controle de velocidade de acesso e melhora da performance do site da loja,
  • antecipação de possíveis falhas e ajustes automáticos,
  • adaptação e mudanças nas lojas a partir das “buscas” realizadas pelos usuários.

A integração dos objetos com as redes possibilita que ações ainda não imaginadas passem a ser realidade em pouco espaço de tempo, afinal, a tecnologia existe, restando tão somente providenciar a sua integração.

Em pouco tempo, processos de compras serão feitos de forma automática sem a necessidade da intervenção humana, quando equipamentos enviarão pedidos de forma automatizada às lojas virtuais a partir de uma simples programação.

Agora que você já faz ideia do que está sendo reservado para um breve futuro, leia nosso artigo que apresenta as tendências da indústria 4.0: um mundo híbrido e multinuvem!

Nenhum comentário

Dia do Automóvel: evolução da automação na indústria automobilística

O surgimento do automóvel transformou o mundo, impactou comportamentos e mudou a história de toda a humanidade. No Brasil, esse objeto de consumo da sociedade tem um dia totalmente dedicado a ele.

Muitos o consideram a máquina da liberdade, por romper distâncias, facilitar acessos e transportar pessoas a inimagináveis destinos.

Por outro lado, a indústria automobilística tem sido de fundamental importância para a economia mundial e para o desenvolvimento de tecnologias e soluções ultra modernas e inovadoras.

Muito provavelmente, o engenheiro alemão Karl Benz, considerado o inventor do automóvel, ao desenvolver o seu invento pensaria em um carro autônomo como cena de ficção cientifica, da mesma forma que nossos motoristas atuais veriam um carro com sistema de arranque a manivela como coisa do homem das cavernas.

Aproveitamos o Dia do Automóvel para falar com você sobre essa invenção e toda a evolução da automação na indústria automobilística. Vamos conferir?

Como surgiu o Dia do Automóvel?

O Dia do Automóvel surgiu em 1934, a partir de um decreto assinado pelo então presidente da República Getúlio Vargas.

Essa data também é conhecida como o Dia do Automóvel e da Estrada de Rodagem e existem várias e controversas versões sobre a sua origem.

A primeira delas diz que a data surgiu em comemoração à abertura da primeira estrada pavimentada do Brasil, que é a rodovia que liga a capital carioca a Petrópolis.

Outra versão seria que a data foi escolhida para homenagear Bertha Benz, esposa de Karl Benz, considerado um dos criadores do primeiro carro para venda do mundo.

A terceira hipótese diz respeito à comemoração do Belcar, o primeiro carro produzido no Brasil, no entanto, o primeiro modelo da sua linha de produção só surgiu em 1958.

Independentemente do motivo, a data hoje é comemorada para enfatizar a importância do automóvel na promoção da praticidade, conforto e segurança das pessoas e a evolução no seu processo de fabricação.

Qual foi o primeiro carro fabricado?

O engenheiro alemão, Carl Benz, é considerado o “Pai do automóvel”, especialmente por ter obtido, em 1886, a patente para um veículo movido a gasolina.

Seu carro possuía três rodas e percorria a distância de 13 quilômetros por hora. Trajeto considerado ousado para os que viviam naquela época. No entanto, seu invento não chegou a ser produzido industrialmente.

O nascimento da Era do Automóvel acontece a partir do desenvolvimento do Ford Modelo T, o primeiro carro produzido em escala no mundo. Um veículo barato, fácil de dirigir e robusto.

Foi o primeiro veículo com volante à esquerda e continha:

  • um câmbio de engrenagens,
  • duas marchas para a frente e uma de ré.

As marchas eram selecionadas através de pedais, só que para funcionarem o freio deveria estar posicionado de forma correta. Chegava a velocidade máxima de 55 km/h.

O acelerador não era com pedal, mas sim com uma alavanca que ficava posicionada junto ao volante, fazendo par com outra e ambas ajustavam a regulagem do motor. 

Como curiosidade, a instalação dessas alavancas lembravam a figura de um bigode. Por isso, o veículo no Brasil foi chamado de Ford de Bigode.

A Ford foi a primeira montadora de automóveis que se instalou no Brasil, em 1919.

O que esperar da automação na indústria automobilística?

De forma geral, a automação consiste na aplicação de sistemas modernos de controle que ajudam no gerenciamento e execução das operações produtivas na indústria.

Ela possibilita que boa parte dos processos da linha de montagem seja realizada de forma automática, garantindo melhor desempenho, agilidade e eficiência nas diversas fases de produção. 

Ou seja, a automação estará presente em todos os processos, dos mais simples aos mais complexos, envolvendo:

  • o chão de fábrica, 
  • processo de montagem, 
  • emissão de contratos, 
  • processos de compras,
  • reaproveitamento de recursos.

Ou seja, a automação torna inteligente, viável e funcional todos os processos da cadeia produtiva, garantindo melhor qualidade ao produto final.Agora que tal continuar no nosso blog e saber o que deve ser levado em conta na hora de definir um sistema de automação?

Nenhum comentário

Manufatura industrial: veja os benefícios do serviço

Para compreendermos a manufatura industrial, precisamos retornar no tempo e voltarmos à época onde todos os produtos eram fabricados por artesãos.

Essa realidade fazia parte do dia a dia da população, quando todos os processos fabris consistiam na transformação da matéria-prima em produto final através de atividades realizadas com as mãos.

Essa era a realidade produtiva até a época da Revolução Industrial, na metade do século XVIII.

A partir daí, máquinas foram incorporadas às atividades produtivas, quando então apareceram as primeiras fábricas, surgindo o que hoje é conhecido como manufatura industrial.

Neste artigo, apresentaremos esse tema, seus tipos e benefícios que traz para a sociedade e economia das nações. Continue lendo e saiba mais a respeito!

O que é manufatura industrial?

A manufatura industrial é aquela que produz bens utilizando mão de obra remunerada, apoiada por:

  • máquinas,
  • equipamentos,
  • ferramentas.

Essa combinação possibilita que grandes quantidades de produtos possam ser comercializados no mercado, diminuindo custos de fabricação, permitindo a padronização e agilidade nos processos manufaturados.

Atualmente, existem diversos tipos desses processos, cada qual com objetivos específicos, atendendo às muitas demandas de uma sociedade organizada.

Qual a sua importância?

A partir dos objetivos estabelecidos para cada processo manufaturado, podemos identificar a sua importância para o dia a dia da sociedade, onde encontramos:

Manufatura repetitiva

Esse tipo de fabricação é voltada a produção em massa, ou seja, através de um processo repetitivo altos volumes de produtos são colocados à disposição dos consumidores.

São as conhecidas linhas de produção, onde um mesmo produto ou peças similares são fabricadas de forma contínua, como, por exemplo:

  • peças de automóveis,
  • eletrodomésticos,
  • alimentos, etc.

Manufatura contínua

A operação contínua da indústria é aquela que funciona 24 horas e 7 dias por semana, sem paradas e voltadas a atender as demandas exigidas pelo mercado, como, por exemplo:

  • refino de petróleo,
  • fundições e metalurgia,
  • produção de papel e celulose.

Manufatura discreta

A manufatura discreta é voltada a projetos específicos, ou seja, desenvolvimento de produtos que possuem características diferenciadas e muitas vezes únicas.

Bons exemplos estão em equipamentos industriais desenvolvidos para determinadas atividades (ferramentas), projetados e construídos segundo as especificações do contratante.

Outro exemplo está na fabricação de navios que, apesar de muitos pontos em comum, possuem cada qual características diferenciadas, exigindo atenção para suas particularidades.

Manufatura por oficinas

Esse tipo de industrialização possui características que combinam outros processos, pois trabalham lotes em quantidades significativas, no entanto, são direcionadas a produtos semiacabados ou peças para outros fabricantes.

Bons exemplos encontrados no mercado são:

  • oficinas de pinturas,
  • gráficas,
  • peças personalizadas, etc.

Manufatura aditiva

Um novo tipo de fabricação que ganha espaço com o desenvolvimento da tecnologia é a aditiva, ou seja, a impressão em 3D.

Essa tecnologia possibilita que produtos e peças complexas sejam literalmente impressas, oferecendo:

  • diminuição de custos,
  • redução do uso de matéria-prima,
  • diminuição do desperdício,
  • rapidez e customização.

Atualmente, a manufatura aditiva é responsável pela fabricação de roupas, instrumentos musicais, veículos e até mesmo casas.

Quais seus benefícios?

Não é possível imaginar a dinâmica do mundo sem a manufatura industrial, um processo que possibilita e gera para a sociedade:

  • acesso às mais diversas mercadorias,
  • custos viáveis,
  • diversidade de opções,
  • agilidade nos processos produtivos.

A especialização desses trabalhos oferece conforto, segurança e cada vez mais possibilidades para o consumidor final, fabricantes que necessitam de produtos semiacabados e para as empresas que terceirizam suas linhas de produção.

Independente do tipo que sua empresa utiliza, para cada uma delas são necessários cuidados específicos, visando viabilizar processos técnicos e possibilitar o sucesso da operação.

Contar com especialistas no assunto facilita o atingimento dos objetivos, especialmente no que se refere à automação industrial e sistemas de informação.

Para saber mais sobre manufatura industrial e suas diversas possibilidades, conheça a Yukon e conte com quem pode ajudar sua empresa a dar passos importantes!

Nenhum comentário

O crescimento das mulheres na indústria 4.0

Estudos recentes têm mostrado que empresas apresentam uma performance até 15% maior quando investem na diversidade de suas equipes, tema que envolve a inclusão do gênero feminino. Isso acontece devido à possibilidade de inovação que esta diversidade, seja ela de gênero ou não, permite, quando perfis diferentes podem contribuir com diversos pontos de vista sobre um mesmo assunto.

A indústria 4.0, também chamada de quarta revolução industrial, corresponde a uma era de mais tecnologia nos meios de produção.  Trata-se de uma fase promovida pela ascensão do mundo digital, que tem impactado a vida e rotina da população em geral, mas também em como a economia funciona. Outros avanços que têm ocorrido no setor incluem o crescimento da presença de mulheres em diversas funções. É reforçada, em particular, a importância delas em posições de

liderança na indústria 4.0, um fator que é capaz de proporcionar ainda mais mudanças positivas nesse meio.

Continue a leitura e saiba mais sobre o crescimento de mulheres na indústria 4.0!

Como a liderança feminina se insere na indústria 4.0?

Para acompanhar as rápidas mudanças que ocorrem ao nível global, as lideranças na indústria 4.0 devem estar dispostas a inovar.

A pesquisa mundial Getting to Equal mostra que, nas empresas em que a diversidade de gênero está presente, a capacidade de inovação é cinco vezes maior que no cenário oposto.

A conclusão do estudo faz todo sentido se pensarmos na realidade de muitas mulheres, que estão cada vez mais voltadas para valores como a liberdade, a independência e o desenvolvimento profissional, assim como possuem por premissa, em regra geral, permitir um ambiente de trabalho mais diverso e, assim, contar com a opinião diferente dos mais variados perfis de pessoas. Sua presença em cargos de liderança tende a apontar novos rumos e soluções, além de contribuir para um ambiente de trabalho em que essa capacidade seja estimulada.

Qual a importância do crescimento das mulheres no mercado de trabalho?

Com suas inúmeras habilidades e competências, as mulheres contribuem de maneira significativa para o crescimento das empresas e para a economia do país. Dentre as principais habilidades características das mulheres, estão  resiliência, capacidade multitarefas, comprometimento, criatividade e flexibilidade.

Além de trazer vantagens para as empresas, a inclusão de mulheres em diferentes setores do mercado de trabalho já é uma tendência global. Em 2015, a Organização das Nações Unidas (ONU) propôs aos países membros um pacto global pela melhoria de diversos aspectos da sociedade. Entre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), está incluso o ODS 5: a igualdade de gênero. Trata-se de um compromisso assumido pela população em geral, mas em especial por instituições governamentais e por empresas, em busca desse objetivo comum. Assim, incentivar e promover o aumento das mulheres no mercado de trabalho também é considerada uma maneira efetiva de trabalhar em benefício da igualdade de gênero.

Sabemos que ainda há muitos desafios a serem conquistados na luta por direitos, mas as mulheres têm provado a sua potência profissional, e a presença delas no mercado de trabalho é cada dia mais forte! 

E aproveitando a data comemorativa de hoje, conheça um pouco da história da Yukon neste contexto: tendo a participação de mulheres na direção da empresa desde a sua fundação em 1991, a Yukon tem tido a contribuição importantíssima de várias profissionais do sexo feminino ao longo dos anos, seja na área técnica ou no setor administrativo da empresa. São mulheres a quem somos extremamente gratos pela força de trabalho e comprometimento, que ajudou a escrever, de forma brilhante, a história da Yukon até aqui! 

Agora que você já conhece a importância de incentivar o crescimento da inclusão na indústria 4.0, continue por aqui e entenda como nós, da Yukon, contribuímos para trazer mais resultados para sua empresa através da automação de processos.

Nenhum comentário

Tendências da indústria 4.0 em 2022: um mundo híbrido e multinuvem

Conhecida por seu fator inovação e pelas tendências que tornam o mercado mais competitivo, como a multinuvem, a indústria 4.0 é marcada por constantes atualizações.

O ano de 2021 teve grandes desafios, onde empresas de todos os setores e tamanhos precisaram inovar mais rapidamente do que a curva de outros anos para se manterem vivas no mercado e dentro da concorrência.

Com isso, a indústria 4.0 que, por si só, é conhecida pela sua versatilidade, passou por avanços ainda maiores nestes últimos meses, trazendo inovações e tendências que começarão a ter mais presença dentro das indústrias em 2022.

Entender mais sobre esses saltos no desenvolvimento das indústrias é importante para poder incluí-los dentro do cotidiano da produção.

Continue a leitura e entenda mais sobre essas tendências, entre elas a multinuvem, uma das mais revolucionárias da lista!

Apesar de isso já ser uma grande inovação em comparação a servidores físicos e redes próprias, a computação em nuvem passou por mais melhorias, trazendo o termo multinuvem à tona.

Essa nova tecnologia trata de múltiplos serviços em cloud, onde as empresas não precisam mais depender de um único provedor.

Não é raro encontrar indústrias que possuem nuvens privadas, assim como contam com serviços terceirizados para determinadas ações.

Mundo híbrido

Home office e trabalho híbrido (onde parte da semana o colaborador trabalha de casa e na outra presencialmente) continuarão em alta, com tendência de se tornar o novo formato de contratação, em especial dos colaboradores administrativo.

Muitos empresários perceberam que o aproveitamento e a qualidade do serviço das equipes se manteve mesmo a distância, assim como o modelo híbrido ou home office são mais baratos em relação aos custos que o espaço físico pode gerar.

Além disso, essa flexibilidade pode aumentar a satisfação dos colaboradores, e gerar mais engajamento dentro do ambiente de trabalho.

Isso também se estende para o mundo, onde tudo passa a ser cada vez mais conectado o tempo inteiro.

Impressão 3D

A impressão 3D é uma das tendências mais presentes em 2022 devido às suas grandes vantagens, como a possibilidade de produzir em grande escala e com baixo custo.

Além disso, a produção é escalável e apresenta qualidade e segurança, itens essenciais para manter a confiabilidade da empresa e de seus produtos.

Energias renováveis

A crise energética é uma realidade para muitos países e o Brasil não fugiu dessa estatística, por isso, debates sobre escolhas dos

Quais as tendências da indústria 4.0 em 2022?

Veja a seguir as principais inovações dentro da indústria que terão mais impacto agora em 2022:

Multinuvem

A computação em nuvem já é uma realidade há alguns anos, seja pela facilidade de instalação e uso, segurança, baixo custo e os serviços atrelados a esses servidores em nuvem.

melhores tipos de energia e a busca por outras soluções mais sustentáveis estão mais presentes a cada ano.

Cibersegurança

Ao passo que a captação e uso dos mais variados dados já é uma realidade e eles servem para a tomada de decisões importantes dentro das organizações, a presença de criminosos virtuais e ladrões de dados também está aumentando.

Além disso, a preocupação com cibersegurança também cresceu por causa da Lei Geral de Proteção de Dados, que penaliza empresas que não lidam corretamente com as informações de seus clientes.

Por isso, investir em softwares seguros, mecanismos de verificação, dentre outras ferramentas irá se manter forte em 2022.

Inovação é com a Yukon!

Desde 1991 no mercado, somos referência nas áreas de automação industrial e sistemas de informação, trazendo melhorias significativas para o futuro das indústrias ao redor do Brasil.

Se você quer que essas tendências na indústria 4.0, conte com nossa equipe de especialistas. Entre em contato e conheça um pouco mais sobre nossos métodos de trabalho!

Nenhum comentário

As 5 maiores tendências da automação industrial para 2022

Apesar dos problemas vividos nesses dois últimos anos, as tendências da automação industrial para 2022 estão aí e prometem se estabelecer de forma definitiva nos parques fabris de todo o Brasil.

As dificuldades advindas da pandemia do Coronavírus e seus efeitos trouxeram grandes desafios para as indústrias de todo o mundo e no Brasil não foi diferente.

A queda no consumo, o aumento dos custos operacionais e a falta de matéria-prima e insumos causaram impactos negativos. No entanto, segundo a Secretaria de Política Econômica do Governo Federal, as previsões para 2022 são de que o PIB, Produto Interno Bruto, cresça 2,5%.

A indústria é um fator determinante nessas projeções, onde a modernização e investimentos privados são fundamentais para que a recuperação econômica torne-se uma realidade em todo o país.

A indústria 4.0 e as tendências da automação industrial são importantes participantes desse processo, possibilitando que o Brasil retome a sua caminhada e avance no competitivo mundo dos negócios. Continue lendo nosso artigo e saiba mais a esse respeito!

Quais as tendências da automação industrial?

A competitividade internacional e o avanço da tecnologia faz com que o mercado nacional tenha que se reposicionar.

A indústria 4.0 é o futuro que já chegou e não existe mais espaço para que as empresas adiem a automação de processos em suas fábricas, sob pena de ficarem desatualizadas e perderem espaços importantes.

As principais tendências da automação industrial trazem mudanças e transformações tanto ao nível tecnológico quanto relacionado à formação e capacitação dos recursos humanos. As apostas para 2022 estão direcionadas ao crescimento e efetivação das seguintes ferramentas:

Internet das Coisas Industriais

A conexão das máquinas, objetos e equipamentos estará cada vez mais presente na indústria no próximo ano, já que ela vai:

  • sentir,
  • medir,
  • comparar,
  • analisar,
  • tomar decisões.

Impressão 3D

O primeiro carro produzido via impressão 3D em grande escala fará parte de uma linha de montagem no ano de 2022. 

Essa tecnologia será utilizada cada vez mais na prototipação de peças e produção de produtos dos mais diversos segmentos da economia, garantindo:

  • agilidade,
  • qualidade,
  • redução de custos.

Energia renovável

Diante dos custos da energia e dos fatores climáticos que não favorecem a resolução desse problema, a utilização de recursos que se renovam será cada vez mais visado pela indústria.

O mundo inteiro estuda e inicia aplicações para a substituição da energia tradicional por fontes renováveis, onde benefícios serão observados para todos os envolvidos, como, por exemplo:

  • redução dos custos,
  • diminuição na emissão de gases,
  • aumento da qualidade atmosférica.

Cibersegurança

Outra área imprescindível nas tendências da automação industrial para o próximo ano é o investimento em cibersegurança.

Isso significa proteger os ambientes de ataques cibernéticos, evitando que sistemas sejam invadidos e processos possam ser interrompidos, assim paralisando serviços e indústrias.

Big Data Analytics

Por fim, o Big Data Analytics é outra tendência que envolve a indústria 4.0 em 2022, quando cada vez mais a captura, organização e utilização dos dados estarão contribuindo para a melhora da qualidade de vida das pessoas e na tomada de decisão das empresas.

Essas análises possibilitam que sejam avaliadas as tendências, identificando novas oportunidades e permitindo um atendimento personalizado a cada cliente a partir dos seus gostos e hábitos.

Como se observa, a tecnologia definitivamente faz parte de todos os processos da vida humana e as indústrias estarão operando e aprimorando-se cada vez mais a partir da automação.

As tendências industriais para 2022 prometem grandes transformações e se sua empresa ainda encontra dificuldades para iniciar a implementação dessas tecnologias, contate a Yukon e saiba como podemos colaborar com o seu negócio!

Nenhum comentário

Maturidade para Indústria 4.0: avaliação qualitativa e quantitativa para implantação da digitalização

Existem diversos níveis de maturidade para Indústria 4.0. 

Você sabe em qual deles a sua empresa encontra-se ou o que fazer para iniciar essa caminhada?

Antes de apresentarmos esses pontos específicos, é importante conhecer a definição dessas palavras.

Como analogia, para se alcançar o mestrado é necessário ter passado pela graduação, fase fundamental que fornece uma base e informações essenciais para se atingir lugares mais sofisticados de aprendizado.

Assim também funciona a tecnologia e seus processos em uma empresa, pois não é possível avançar etapas sem obter o conhecimento e implementar ações que serão essenciais para o sucesso dos estágios futuros.

Neste artigo, apresentaremos os níveis de maturidade para Indústria 4.0, ajudaremos você a identificar em qual estágio está seu empreendimento e o que fazer para progredir nessa caminhada. Continue lendo e saiba mais a respeito!

Qual a importância da maturidade para Indústria 4.0?

Sem o amadurecimento das ideias, conceitos e aplicações, não é possível implantar as tão desejadas ações e resultados que a Indústria 4.0 oferece às fábricas.

Segundo uma pesquisa realizada pela CNI, Conselho Nacional da Indústria, 54% das empresas que possuem pelo menos três tecnologias disponíveis nos seus processos fabris alcançaram um lucro igual ou maior que o obtido no período pré-pandemia.

Diante desses números, não é difícil concluir a importância de iniciar imediatamente processos que visem essas conquistas, porque uma caminhada precisa ser realizada para que os resultados possam ser perceptíveis.

A grande dúvida de empreendedores e executivos está em encontrar o início desse processo e o que fazer para ter êxito nessa aplicação.

Quais os níveis dessa maturidade?

Existem seis graus de maturidade para Indústria 4.0, divididos em duas fases.

A primeira fase, conhecida como Digitalização, envolve esses dois pontos:

  • informatização,
  • conectividade.

A primeira, por exemplo, consiste em criar a base desse momento, ou seja, a empresa passa a utilizar diferentes tecnologias de informação, ainda que isoladamente.

O objetivo desse nível é o de agilizar e garantir qualidade aos serviços repetitivos, possibilitando uma diminuição de custos operacionais e garantindo precisão, além de um bom padrão de qualidade.

O segundo nível é a conectividade, permitindo que máquinas e equipamentos trabalhem integradamente, quando:

  • projetos da engenharia são enviados de forma automática para as linhas de produção,
  • etapas da fabricação automaticamente atualizam os sistemas de controle,
  • processos de manutenção de equipamentos são realizados remotamente.

Como se percebe, não há como desenvolver o segundo nível sem que o primeiro esteja implementado.

A partir desse ponto, a segunda fase, conhecida como Indústria 4.0, entra em ação, dividindo-se em outros quatro níveis de maturidade. São eles:

  • visibilidade – os processos industriais são capturados do princípio ao fim,
  • transparência – conhecimento de todos os processos e suas implicações,
  • predição – capacidade de simulação de cenários futuros e suas possibilidades,
  • adaptabilidade – tomadas de decisões automatizadas conforme as circunstâncias.

Como aplicá-la?

Conhecida as fases e os diversos níveis, é preciso saber como aplicá-las, ou seja, qual o caminho a ser traçado para efetivamente conquistar completamente a maturidade.

A maneira mais fácil, segura, econômica e rápida para se chegar aos resultados é contar com a experiência de quem já desenvolveu essa caminhada diversas vezes e possui experiência a respeito.

A Yukon, desde 1991, colabora com importantes empresas em seus processos de automação industrial e implantação de soluções da Indústria 4.0.

Caso você queira conhecer detalhes dessa operação e avaliar qual o nível em que seu empreendimento está, em termos de maturidade, ficamos a sua disposição e prontos para auxiliá-lo. 

Acesse nosso site e saiba mais sobre as possibilidades que oferecemos a nossos clientes!

 

Nenhum comentário

Empregabilidade e indústria 4.0

O assunto empregabilidade vem sendo tratado com preocupação pela sociedade nos dias atuais, especialmente em função da indústria 4.0 e seus processos que envolvem a tecnologia e robotização.

Vale a pena retornarmos no tempo e lembrarmos que antes da Revolução Industrial (entre o final do século XVIII e XIX) o emprego praticamente não existia.

O modelo adotado hoje pelas empresas de todos os segmentos com relação à contratação de funcionários, surgiu naquela época quando apareceram as primeiras indústrias, causando uma migração em massa das zonas rurais para as cidades.

As máquinas foram sendo gradativamente construídas e foram tomando espaço no chão de fábrica, facilitando e agilizando os processos, porém, na época o mundo questionava o desemprego e o futuro da humanidade.

Hoje vivemos mais uma vez uma situação parecida, onde muitas pessoas imaginam um futuro sem empregos e com sérios problemas para a sociedade, em função da automação industrial.

Nesse artigo apresentamos a empregabilidade e indústria 4.0. O que esperar desses novos tempos e quais as tendências futuras. Continue lendo e saiba mais sobre o assunto!

Os impactos da indústria 4.0 no mercado

A indústria 4.0 ainda continua se construindo e a cada dia novidades surgem para facilitar os processos produtivos, garantindo:

  • agilidade,
  • qualidade,
  • diminuição de custos,
  • popularização dos bens de consumo.

Todas as atividades desse conceito estão apoiados na tecnologia, onde são utilizadas:

  • inteligência artificial,
  • computação em nuvem,
  • big Data,
  • cibersegurança,
  • internet das coisas,
  • robótica,
  • manufatura digital,
  • manufatura aditiva,
  • integração de sistemas,
  • sistemas de simulação,
  • digitalização.

Segundo as previsões feitas no final do século XX, os robôs estariam conquistando espaço nos mais diversos segmentos do mercado, inclusive na indústria.

As previsões estavam certas, no entanto, a figura dos robôs foram substituídas por softwares que envolvem a inteligência artificial e que são incorporados nos equipamentos (internet das coisas) oferecendo muitas vantagens à sociedade.

A empregabilidade nesse contexto

Com relação ao mercado de trabalho e a empregabilidade, vivemos um período preocupante onde a taxa de desemprego ultrapassou os 14%, no entanto, o motivo para isso não foi a indústria 4.0, mas, a pandemia do Coronavírus que se alastrou pelo mundo.

Segundo a CNI, Confederação Nacional da Indústria, o PIB brasileiro deve fechar o ano de 2021 com um crescimento de 3%, enquanto que a área industrial deve chegar a 4,3%.

Atualmente a indústria está contratando profissionais e colaborando para a queda do desemprego no país.

Existem duas correntes com relação às previsões sobre o futuro, uma delas prevendo sérios problemas com o desemprego nessa área e outra que defende a transferência dos profissionais para o setor de serviços que cresce cada vez mais.

É fato que as atividades que envolvem as operações junto aos maquinários no chão de fábrica tendem a desaparecer, no entanto, profissionais mais capacitados precisam ser contratados para atividades mais nobres.

A importância da atualização tecnológica

Assim como ocorreu no passado, não existe outra alternativa com relação ao avanço tecnológico que está sendo implementado na indústria que não seja adotá-lo.

O país precisa se equiparar com a concorrência internacional e modernizar seus parques fabris para poder ter competitividade e oferecer soluções adequadas ao mercado.

Agora que você já sabe mais a respeito da empregabilidade e indústria 4.0, mas, necessita de apoio para a sua implantação, contate a Yukon Automação Industrial e conte com nossos profissionais para adequar a sua fábrica as novas exigências do mercado!

Nenhum comentário

Cibersegurança na Indústria 4.0: conheça as tendências e desafios da implementação

Garantir a cibersegurança é essencial para todas as indústrias que investem em automação. Por essa razão, é uma tendência em diversos segmentos.

Neste ano, houve muitos ataques cibernéticos em grandes empreendimentos. Um exemplo foi um maior oleoduto dos Estados Unidos, que teve que encerrar suas atividades temporariamente devido a uma invasão.

Aqui no Brasil, também tivemos que lidar com isso. A Eletronuclear e Copel, empresas de energia elétrica, sofreram ataques, mas sem prejudicar a operação.

Conforme a CNN, esse tipo de problema cresceu 220% em empresas durante o primeiro semestre de 2021, o que mostra que a cibersegurança precisa ser uma prioridade para todas as áreas.

Quer conferir as principais tendências e desafios da sua implementação? Então continue lendo e confira.

A importância da cibersegurança para a Indústria 4.0

No início da automação da indústria, não havia muitas preocupações sobre invasões e roubos de dados, já que a criação de uma rede era apenas teoria.

Mas, com a evolução e o investimento em novas tecnologias, foi possível fazer a unificação de toda a plantas, sistemas e setores. Além disso, ainda há a conexão com servidores e internet, que acabam abrindo brechas para os hackers.

Dentro desse novo contexto, a cibersegurança se tornou uma prática e uma preocupação entre os gestores.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Kaspersky Industrial CyberSecurity, 75% das indústrias acreditavam que seriam invadidas pelo menos uma vez em 2020.

Esse tema é tão relevante que, no final do mês de setembro, houve a realização do Cyber Security Summit 2021, para disseminar e debater temas relevantes sobre a cibersegurança.

Vulnerabilidade da indústria

Entre as principais preocupações das indústrias em relação ao ataque cibernético está a paralisação das suas operações, como ocorreu no oleoduto nos EUA.

Mas também é preciso ir além e pensar na segurança de dados dos clientes, o que é ainda mais relevante para segmentos que exigem sigilo ou atuam com dados sensíveis, especialmente no contexto da LGPD, que prevê sanções de até 2% no lucro da empresa.

É importante, ainda, considerar os gastos necessários para combater um ataque. Segundo uma pesquisa da IBM Security, uma invasão de dados custa, em média, US$ 3,92 milhões para uma indústria.

Quais são os desafios da implementação da cibersegurança na Indústria 4.0?

Existem muitos desafios quando falamos sobre cibersegurança, visto que qualquer solução é complexa e pode ser aplicada de diversas formas, dependendo diretamente do nível de automação da indústria.

Mas, de forma geral, os desafios são:

  • encontrar um equilíbrio entre a aplicação prática e o entendimento de todos os sistemas de segurança,
  • aplicar soluções que permitam o crescimento da planta de forma escalável,
  • monitorar em tempo real e controlar invasões na planta,
  • fazer o rastreamento de ataques.

Tendências para a Indústria 4.0

Como já falado, não há apenas uma maneira de investir em cibersegurança na Indústria 4.0. É preciso considerar a planta e o nível de conexão entre ela, assim como analisar as redes externas.

Existem algumas tendências que podem ser seguidas para dificultar ataques cibernéticos.

Nós aconselhamos:

  • segmentação de redes,
  • controle de acesso,
  • criptografia dos dados sigilosos,
  • varreduras de vírus frequentes,
  • monitoramento da rede em tempo real,
  • integração de políticas de segurança.

Outra prática valiosa é realizar a análise constante dos riscos e avaliar as soluções atuais.

Ainda tem dúvidas sobre cibersegurança para a Indústria 4.0? Entre em contato conosco e fale com um profissional especializado nessa área!

Nenhum comentário

Siemens Innovation Forum 2021: como foi

Nos dias 24 e 25 de agosto participamos mais uma vez do evento anual de atualização tecnológica da Siemens, o Siemens Innovation Forum 2021, realizado de forma on-line com painéis muito interessantes sobre as novas tecnologias que irão impulsionar a automação fabril neste século, tais como 5G Industrial, digitalização, IA, cloud computing entre outros, além de um assunto de suma importância neste contexto: cibersegurança.

A agenda do evento proporcionou palestras com CEOs, diretores e especialistas onde foram apresentadas soluções de hardware e software que possibilitam inovações e modelos de negócios colaborativos que irão acelerar a transformação da indústria global em um mundo cada vez mais conectado, eficiente, seguro e, principalmente, sustentável. Foram apresentados exemplos de como a digitalização totalmente integrada pode aumentar exponencialmente os  benefícios do seu negócio.

A reunião, no entanto, chamou a atenção para o fato de que, para que tudo isso seja possível, é  necessária a implementação da tecnologia 5G, a quinta geração de internet móvel, no país. Fazendo aqui um adendo, na semana passada saiu a notícia na mídia que a ANATEL pretende realizar o leilão para definição das operadoras que irão fornecer esta tecnologia ainda em outubro deste ano. Esta notícia é animadora, pois o 5G industrial é o que possibilitará um novo cenário de transformação. Uma conexão sem restrições,  com maior alcance e velocidade  será fundamental para abrir o caminho desta revolução.

Foi um evento de altíssimo nível, que conseguiu passar uma visão geral do futuro da automação, mostrando tecnologias e conceitos para o desenvolvimento futuro da indústria no Brasil e no mundo. Um futuro que nem está tão longe assim.

Siemens Innovation Forum 2021

SIEMENS E YUKON

A Siemens é uma empresa referência quando se fala em inovação tecnológica. Parceira da Siemens na área de automação industrial, a Yukon também acredita que pode impulsionar o desenvolvimento do país e construir uma vida melhor para todos através da tecnologia e dos serviços oferecidos em seu portfólio. Entenda mais aqui sobre a nossa expertise. Ficou com alguma dúvida? Entre em contato com a gente aqui!